sábado, setembro 16, 2006

O vestido azul





Demorou a preparar-se. Banho, cremes, maquilhagem. Ia olhando o vestido azul pousado na cama. Não resistira. Chamava por ela na montra da loja. Olhou-o de todos os ângulos, pegou-lhe com cuidado e vestiu-o. Perfeito no seu corpo. Como se uma costureira o tivesse feito por medida.
Olhou-se no espelho. Gastara quase todo o dinheiro que tinha mas estava pronta para a sua grande noite. Sentou-se e esperou. Ainda não era a hora certa. Esperou mais e mais. O relógio, por fim, marcou a meia-noite.
Pôs a música a tocar, foi buscar o champanhe e dançou, dançou, dançou. Abriu prendas que comprara e fez a festa até adormecer, linda no seu vestido azul.
Estava só naquele quarto minúsculo, numa cidade estranha. Tinha vinte anos.





Foto by Beliz Kocak

24 comentários:

Nilson Barcelli disse...

Que história linda, mas triste.
A solidão é complicada e, por isso, convém que sejamos boa companhia de nós próprios.
A propósito dessa solidão, disse há tempos num poema:
Acredito em ti, porque amanhã,
se não tiveres a quem desvendar
as feridas dos teus olhos,
sei que vais saber como sorrir
para ti a teu pedido.

Beijos.

A Lei da Rolha disse...

A solidão é das coisas mais tristes que conheço....fazer verdadeiros amigos é dificil, mas é muito importante na vida de qualquer um!

M.P. disse...

Pensei, pensei, pensei! Mas pressenti! Soube bem o reencontro. :) Será que é? Beijinho (com cuidado para não te quebrar..LOL)

cantorouco disse...

em qualquer idade, boa, gratificante, acolhedora, companhia nos podemos fazer.
belíssimo - de tão único -, esse vestido. azul!

mac disse...

Por vezes a solidaão é uma escolha de vida. Acho que foi este o caso...não obstante estar sozinha, divertiu-se à sua maneira, qual cinderela, transfigurou-se, e gozou como quis.

Bia disse...

Ela não estava sózinha, estava com ela mesma, muito feliz, divertiu-se á grande e preparou-se para a grande festa que é quando nos amamos e nos bastamos.
E agora um aparte... sempre se livrou que alguém lhe estragasse a noite o sucesso da festa estava garantido!

jo disse...

"estória" enernecedora e que retrata muito bem o quotidiano de muitas mulheres. ma coisa é estar só, outra é sentir a solidão. A jovem da "estória", como muitas de nõs, sentia as duas coisas. Parabens!
Bjs

Rita Contreiras disse...

Não é fácil, mas é importante que aprendamos a fazer a nossa festa conosco mesmo, que consigamos dar sentido aos nossos minutos, sem que necessariamente precisemos de alguém. Acho que assim, inevitavelmente, acabaremos por ter sempre companhia. Grande abraço.

melgadoporto disse...

Dantes ficavamos em casa dos pais até bem avançada idade! Hoje os jovens “fogem-nos”. Tudo começa com o simples ir estudar para uma cidade que não a nossa! Passa pelo Erasmus! Continua na busca de trabalho! E a sua incessante vontade de independência...
Proventura ela estaria só naquele minúsculo quarto, mas sabia que nunca estaria só no seu coração nem no mundo. Como tal celebrou...e nós também!
:)

Teresa Durães disse...

vi o texto como o encontro num dia só e não solidão.são diferentes conceitos.

Boa noite!

Serpente Emplumada disse...

"Historia linda, mas triste. A solidão é complicada" faço minhas estas palavras de nilson barcelli. é o sentimento que me percorreu [ ]

Luisa disse...

Lembrei-me duma pequena poesia que fiz na minha adolescência:
"Eu tinha um vestido azul
Na noite em que te conheci
Eu tinha um vestido azul
Está agora no fundo da mala
Sob um monte de saudades."

Gonçalo disse...

excelente escolha nas fotografias.. e os textos sao lindos...:)

Desassossego disse...

Mas fez a festa, por vezes fazemos depender a nossa felicidade e razão de viver "apenas" nos outros quando o principal motivo deveria ser Nós próprios...
Um xi aperatdinho.

happiness...moreorless disse...

que historia fantastica e arrepiante..
a solidao é um dos meus maiores medos


um beijinhos*

Estranha pessoa esta disse...

Senti nestas linhas Sorrisos de força.. e não de solidão.
Se o vestido azul tinha alguma lágrima?
Talvez tivesse.

E não é aí que reside a força? ;)
bjs
Uma semana cheinha de vestidos azuis para ti. *****

Cris disse...

Saber amar-se, mimar-se, divertir-se e dançar, mesmo que sozinha é uma Ode à vida, poder ser triste ela não ter ninguém para disfrutar da beleza do seu vestido azul, mas ela não deixou de viver por isso. Talvez amanhã vá comprar um vestido azul para mim!

Bjos

Dafne disse...

Estar sozinho não significa estar só. A vida não pára. A nossa felicidade depende unica e exclusivamente de nós próprios, das nossas opções de vida.
Um beijo!

sotavento disse...

Gostei, especialmente, do cuidado com que se aprontou!... :)

.*.Magia.*. disse...

Tenho a certeza que foi um encontro feliz...a companhia não podia ser melhor!

Ana P. disse...

Relatos de um momento de solidão..
Gostei..

beijo

Vida disse...

Triste esta história, mas se calhar acabou melhor do que se tivesse tido companhia...

Beijinhos.

Maria Clarinda disse...

Excelente post!!!!
Um jinho.

pitanga disse...

Tive vários vesidos azuis e cada qual com uma história. O primeiro importante marcou a chegada do amor. O último, e o mais lindo de todos, marcou um dia lindo de festa, mas não sei como, sabia que era o último dia que o usava. Era um festido de baile e foi estragado na lavanderia. Ficaram só as fotografias.
Obrigada pela visita à árvore.
beijos Pitangadoce