segunda-feira, setembro 11, 2006

Dádiva de mim





“Vieram ter comigo dos lados do mar. Eram três, eram três mil. Vi que era pão que procuravam ou que não era pão que procuravam, Pus-me a distribuir por eles as minhas palavras: árvore, pássaro, mar, criança, rapariga, mulher. A cada palavra minha eu ia-me esvaziando. Era a vida, a minha vida que se me ia. (…). Vieram mais, muitos mais dos lados do mar. Disse-lhes: morte, deus. E caí redondo no chão.”

Ruy Belo , excerto de “Serviço de abastecimento da palavra ao país”




Todos os dias espalhamos palavras à nossa volta. De circunstância. De amizade. De zanga. De amor. De paixão.
Teremos consciência da força que uma palavra pode ter para alguém que a quer ouvir? O sentido do que falamos ou escrevemos está sempre sujeito a interpretações diversas. Mesmo para os amigos mais próximos.
As palavras, quando as dizemos, são um som a que se convencionou dar significado. Quando as escrevemos são símbolos, por vezes totalmente inúteis, por aí deixados, como flores sem cor nem perfume. Há dias em que isso não me perturba. Outros há, em que quero que todas as minhas palavras façam sentido. Que ganhem cor, aroma, gosto. Que sejam dádivas de mim para quem as quiser receber.





Foto by Mareks Logins

30 comentários:

FOTOESCRITA disse...

As palavras, um traço de união no apreço pela Beleza do Mundo.

Lee disse...

Hoje sim, a mulher escreveu a palavra. E eu, o homem que a leu, ofereci-lhe uma flor, com cheiro e com vírgulas, para que a flor tenha sentido, porque para mim, só gosto de dias assim.

Um beijo, simbólico.

sotavento disse...

Terão cor, sim, mas para cada um, uma diferente!... Incontornável!... :)

naturalissima disse...

Sem dúvida que atua palvra é cheia de amor, de cor, de sabedoria, carregada de arte, de sensibilidades...
Mais uma bela parte de ti.

Um beijinho
Daniela

Teresa Durães disse...

A minha opinão é:

Não, ninguém tem consciência do que é a palavra:

"No início era o verbo"

Que é o mesmo que dizer "No início era a palavra".

Incluindo na cabala (que não conheço - só para homens, judeus, com mais de 45 anos, casados), a própria letra tem uma história e força.

Misticismos à parte, cada acção nossa tem uma reacção (como a palavra). Quem sabe a onda que provoca?

Eu não. (alguém se lembra dos cartoons dinamarqueses?)

Boa ou má reacção, se for assimilada, penso que é impossível saber as consequências.

Boa noite

Teresa Durães disse...

(mais do que símbolos, são forças projectadas)

Licínia Quitério disse...

Boa reflexão sobre a palavra. Um tema inesgotável. As palavras são também sementes à procura do sol e da água que delas faça planta e flor e fruto. Talvez vagueiem por aí à procura do grande poema que é a vida.
Enfim, não estrago mais palavras. Por agora.
Deixo-te a palavra TERNURA.

Vanda Baltazar disse...

Que sejam dádivas!

Sempre!

:)) Um beijinho de boa noite,

Van

jocas disse...

A palavra tem a força de quem a interpreta, portanto muito para além do seu significado.
Abraço

Rita Contreiras disse...

Para mim elas fizeram todo sentido; caíram no meu coração feito sementes em solo fértil e germinaram em pura inspiração! Muita beleza em sua expressão! Grande abraço.

diabinho disse...

Por vezes ao espalharmos os nossos sentimentos através das palavras criamos mal-entendidos, mas é assim, muitas pessoas, mtas formas de ver a vida, mtas maneiras de sentir... Mas as nossas palavras têm sempre cor, aroma, sabor... não para tds, mas há sempre alguém que nelas encontra qq coisa...
Como a tua doce provocação que encontrei nos desejos escaldantes... ;-)
Beijinhos

melgadoporto disse...

“Teremos consciência da força que uma palavra pode ter para alguém que a quer ouvir?” Nos últimos dias tomei em definitivo conta de que não! Por uma razão muito simples (agora clara) que é a de insistirem em juntar dois “mundos” diferentes. O de quem escreve e o de quem comenta.
Por isto e muito mais – assunto demorado – o que se lê deve ser aceite como “dádivas de vocês para quem as quiser receber” – tão só.
O mesmo se aplica aos comentários. Devem apenas reflectir o sentido que nos transmitiram as vossa palavras.
Diria: Amigos, amigos “escritas” à parte....
:)

A Lei da Rolha disse...

Insustentável levesa do ser, és tu! Adoro o texto e.....

weg disse...

As palavras não têm retorno quando libertadas. É no entanto um risco inevitável de correr. Ou arriscamo-nos a um mortal silêncio.

PS, nenhuma das palavras do Ruy é incolor. nem a palavra morte. a morte dele foi bem colorida até. posso jurar.

:)

mac disse...

Palavras, leva-as o vento. As palavras para serem sentidas, têm de ser acompanhadas do sentimento, da entrega, da emoção. De vale a pena eu dizer "sinto muito", e serem apenas palavras de circunstância?

DIAFRAGMA disse...

É de facto estranha a força das palavras, e extremamente perigosa quando esvaziada do seu contexto e até da "expressão" de quem a disse ou escreveu.
Numa vertente completamente diferente da que te perturba, lembro-me do que isso representou quando há muitos anos, a empresa em que trabalhava inaugurou um rede interna de Email. Isto passou-se quando ainda ninguém o usava, mais precisamente em 1982.
E não imaginas de como cedo nos apercebemos do efeito devastador de um simples desabafo ou reclamação, quando surgia "a seco" num mail. Lembro-me que houve imensas zangas e conflitos até as pessoas se adaptarem a esse novo meio de comunicação.
Para acabar lembraste-me também um ditado persa, que diz qq coisa do género:
"Há 3 coisas que não voltam para trás: a pedra que se atirou, o dardo que se lançou, e a palavra que se disse".

frog disse...

Este teu texto sugeriu-me um soneto do Manuel Alegre, de que gosto muito!...



Palavras tantas vezes perseguidas
palavras tantas vezes violadas
que não sabem cantar ajoelhadas
que não se rendem mesmo se feridas

Palavras tantas vezes proibidas
e no entanto as únicas espadas
que ferem sempre mesmo se quebradas
vencedoras ainda que vencidas

Palavras por quem eu já fui cativo
na língua de Camões vos querem escravas
palavras com que canto e onde estou vivo.

Mas se tudo nos levam isto nos resta:
estamos de pé dentro de vós palavras.
Nem outra glória há maior do que esta.



Para ti... com um beijo

sabr disse...

Gostei, gostei muito, especialmente ao encontrar Ruy Belo, tão esquecido nesta blogo. Boa tarde.

Estranha pessoa esta disse...

Li algures que são poucos os que sentem o verdadeiro poder das palavras.

Talvez seja isso.

Lmatta disse...

obrigada pela vizita
gostei doqoe li beijos

herético disse...

essas são palavras (inter)ditas, quer dizer: advinhadas!...

JPD disse...

As palavras se deixarem bem claras as emoções são preciosas.
Bjs

o alquimista disse...

...E que sejam lançadas à brisa, na volta, alguma vezes colhemos ternura...Sublime texto...

Doce beijo

JMB a.k.a. GIRASSOL disse...

escolheste as palavras certas, sorvi-as, obrigado

Nilson Barcelli disse...

Claro que as tuas palavras fazem todo o sentido.
E são um execelente sdesenvolvimento (e interpretação) das do Ruy Belo. Se ele as vir vai ficar satisfeito.
Beijos*

Dafne disse...

Minha Cara
Pois partilho a opinião de Oscar Wilde, quando diz que se o Homem soubesse quantas e quantas vezes as suas palavras são mal interpretadas, haveria muito mais silêncio neste mundo...
Um beijo...

avelana disse...

às vezes as palavras não expressam o que sentimos, o q queremos dizer...

as velas ardem ate ao fim disse...

Eu não sei porque mas esta musica assaltou a minha cabeça quando te li.

Quando veio,
Mostrou-me as mãos vazias,
As mãos como os meus dias,
Tão leves e banais.
E pediu-me
Que lhe levasse o medo,
Eu disse-lhe um segredo:
"Não partas nunca mais".

E dançou,
Rodou no chão molhado,
Num beijo apertado
De barco contra o cais.

E uma asa voa
A cada beijo teu,
Esta noite
Sou dono do céu,
E eu não sei quem te perdeu.

Abraçou-me
Como se abraça o tempo,
A vida num momento
Em gestos nunca iguais.
E parou,
Cantou contra o meu peito,
Num beijo imperfeito
Roubado nos umbrais.

E partiu,
Sem me dizer o nome,
Levando-me o perfume
De tantas noites mais.

E uma asa voa
A cada beijo teu,
Esta noite
Sou dono do céu,
E eu não sei quem te perdeu.

(Eu Não Sei Quem Te Perdeu- Pedro Abrunhosa

Estrela do mar disse...

...então já somos duas...também penso como tu!...bom post...


Besitos

Bia disse...

As palavras todas elas t~em um significado, pelo menos para mim, umas fazem-me rir, outras provocam-me mesmo gargalhadas bem sonoras e ás vezes essas mesmas plavras num outro contexto fazem-me chorar, mas estamos aqui para isso, pois rir, chorar faz parte do nosso sentir e cada um sente-o á sua maneira. Quanto ás palavras que escreveste elas para mim têm cor, aroma e muito bom gosto, foi um +razer ler.