quarta-feira, outubro 29, 2008

Por vezes penso que...




Estamos na vida de acordo com conceitos aos quais atribuímos um valor. Ideias, regras. Positivas e negativas. Céu e terra. Nuvens e lama. Branco e negro. Veludo e serapilheira. Amor e sexo. Vida e morte.
Vamos assim até ao limite de nós próprios. Do nosso corpo. Ou da alma? Só então corremos entre céu e terra. Provamos a chuva das nuvens e espojamo-nos na lama. Sentimos a claridade do branco e o medo das trevas. Pomos sobre a pele veludo e serapilheira. Amamos e fazemos amor. Ou apenas sexo. Vivemos e morremos.

36 comentários:

M. disse...

Estamos sempre a mudar e nessa mudança vivemos morrendo ou morremos vivendo. Parece-me.

Nilson Barcelli disse...

Viver e morrer são as únicas certezas.
O resto... cada um vê o branco da sua cor... e até há quem ache que a vida é de vidro...
Mas pensas bem, lá isso pensas.
Beijinhos.

Ego. disse...

é uma dança!
é a vida!
é um movimento...
e morrer é viver sem pensar que...


bjus*

Lmatta disse...

Mais uma bela foto
beijos

VFS disse...

nos meandros da existência humana

mundo azul disse...

...dualidades! São elas que nos fazem sofrer...
Prisioneiros dos conceitos e preconceitos... Até o dia em que conseguirmos olhar o mundo com equanimidade!

Beijos de luz e o meu agradecimento pela tão gentil visita!

bettips disse...

Estas meninas (vim directa do Sítio do Poema) que tão bem nos descrevem, mulheres-meninas e amantes, em poemas de vida e morte. Instantes da palavra e da fotografia que vos assentam.
(Ainda assim, esperamos que o limite seja longo e longínquo, A. e LQ!)
Bjinho

Luisa disse...

Viver é a grande questão. Morrer é para se ver mais tarde. Cada um vive à sua maneira, mais cor de rosa, mais negro, mas afinal somos todos parecidos.

hfm disse...

Não consigo acrescentar nada, disseste tudo e de que forma! Um beijo.

Violeta disse...

é a vida...

naturalissima disse...

Lindas palavras, muito bem conjugadas, criando um sentido lógico da VIDA.
Sinto que tens vindo a crescer, a melhorar o registo e o tratamento das tuas fotografias.
Trata-se de um gosto e sensibilidade muito pessoal, pois então, continua a fazer mais e mais.

Boa semana
:)
Daniela

batista disse...

... e renascemos, vezes sem conta: como folhas, outono após outono, que caem descrevendo piruetas no ar, como malabaristas, loucos de alegria e medo.

... e renascemos, vezes sem conta: como folhas árvores, outono após outono, voam nas asas do vento, por milhas e milhas, sonhando sonhos de algodão doce ou se apavorando com pesadelos de guerras, até que por fim caem, na terra ou na água.

... mas, fazendo piruetas ou voando, num ou noutro momento as folhas caem. e o milagre da vida se encarrega de transformá-las, habilitá-las para novas jornadas, noutros corpos, partes de um Todo.

de certa forma, esse é o modo simples como percebo as coisas.

comovido com tuas palavras, deixo um abraço fraterno.

inté.

Waft disse...

Dessa dualidade terá nascido o conceito de deus e do diabo.

Muito bem escrito.

Mar Arável disse...

Uma vez mais o ciclo incontornável das marés

maria josé quintela disse...

contradições. opostos. extremos.


assim estamos no mundo.


à procura do melhor lugar.


um beijo.

JPD disse...

Vivemos.
Intensamente lutamos para que da lei da morte nos sintamos libertos.
Bela crónica.
Bjs

~pi disse...

cíclicos para doxais

e contra ditórios...





beijo





~

rosasiventos disse...

... a

in-ven-tar de-va-ga-r o teu


nome,

Gerlane disse...

Filosofia e poesia se misturam harmoniosamente neste texto, estreitando e ampliando sentidos e sentires. Perfeito!

* Beijos!

Paula Raposo disse...

Eu também penso às vezes...muitos beijos.

dona tela disse...

Olhe, desta vez deu-nos para sonhar...

Muito obrigada por todas as atenções.

SMA disse...

A dicotomia que traça o caminho do meio onde passas
.
.
.
bjo de cristal
bom fim-de-semana

meus instantes e momentos disse...

passando para conhecer, muito bom. Foi bom vir aqui,
Maurizio

melgadoporto disse...

Ideias e regras!
Duas chaves de uma única porta.
Que num repente se abre-se com as ideias.
Para logo se fechar empurrada pelas regras.
Ideias e regras!
Dois sentimentos numa só alma.
Vivemos maravilhados pelas ideias.
Morremos desolados acicatados pelas regras.
Coisas...
:-)

Ad astra disse...

assim mesmo...
no passar dos dias
bem dito

Um beijo

Justine disse...

E é isto a vida, não é, com a morte ao lado? A mudança, os extremos, a dor e a alegria...
Belo o teu texto:))

maria disse...

Entre a essência e o infinito, só no limite nos encontramos...
Gostei muito
Beijo

Poemar disse...

Ultrapassar os limites de si mesma, eis a maneira mais intensa de se viver!

* beijos!

Vieira Calado disse...

Olá, amiga!

Uma reflexão sem mácula, este seu texto!

Bom fim de semana

Maria Dias disse...

Temos que experimentar para poder escolher o que mais nos agrada...Q caminho seguir...E q bom que podemos experimentar!

Beijinhos e ótimo fim de semana!

Maria

Laura disse...

Gostei. Muito.

heretico disse...

vivemos e vamos morrendo. todos os dias...

belo. beijo

Oliver Pickwick disse...

E se fosse diferente, muitos não gostariam. Inclusive, eu.
Um beijo!

P.S.: Fotografia espetacular.

jawaa disse...

Penso que não estamos aqui por acaso... se quisermos fazer por isso.
Esta foto é magnífica!

Twlwyth disse...

Testamos os nossos limites constantemente.

innername disse...

pelo post anterior e por este diria que andas sorumbática...pelo seguinte só consigo apalpar nostalgia e outono