domingo, outubro 12, 2008

Ataque de lucidez



Dorme a casa como um conjunto orgânico do qual só ela destoa. Naquelas horas de silêncio, a lucidez atinge-a duramente sem que se possa defender. Gira sobre si própria, procurando o refúgio do sono. Sem resultado, porque tem a perfeita noção de se estar a observar de fora do seu corpo. Menina, perguntara uma vez à mãe se era possível ser actor e espectador, ao mesmo tempo. O ar de espanto e inquietação da mãe ainda hoje a fazia sorrir. De quem teria herdado aquela quase maldição de se ver (e aos outros) como se não estivesse lá, como se apenas observasse?
Eles dormem. Eles, os outros dentro da casa. Gostava de saber os seus sonhos, os que não contam e os assombram como a ela, pelas horas da noite. O pensamento voa para outra gente que àquela hora também dorme, gente que cruza a sua vida e com ela interage. Saberão como ela os vê, por vezes? Sente-se desconfortável, como se estivesse a trair pessoas que ama. Na verdade é a si própria que trai, à sua capacidade de se dar sem limites, ao seu desejo de acreditar no que de bom os dias trazem. Será sempre assim. Já lhe disseram também que não existe remédio para ataques de lucidez.


[Agradeço do coração à Mateso , à Sombras do Fim do Dia, à hfm e à Nana, o mimo que me ofereceram. Podem ver o que foi e a quem passo este prémio no Vemos, ouvimos e lemos. ]

26 comentários:

CNS disse...

A lucidez tende a ser uma doença crónica. De sintomas raros, porém...

um beijo

Felinea disse...

dar-se sem limites é a melhor parte da vida! :)

lindas palavras. fico sempre encantada por aqui.

beijos.

Eremit@ disse...

a lucidez em excesso tende a ser uma maldição que afasta as pessoas. o medo impera nelas.
Belo texto amiga.
Fraterno abraço

as velas ardem ate ao fim disse...

Se calhar o que preciso é de momentos lucidos....u

um bjinho e uma boa semana

hfm disse...

Quando se olha para dentro. Soberbo final!

Maria Clarinda disse...

E olha que estes momentos de lucidez, por vezes também teimam em fazer parte do meu ser...
Jindo o texto.
Miljhões de beijos

mac disse...

A lucidez de perceber de que há outras pessoas para além de nós...uma qualidade cada vez mais rara.

Walter disse...

Não conhecia este espaço...mas pelo que me foi oferecido neste post, parece-me que voltarei mais vezes, até pq são sempre belas as tuas palavras!
walter

Véu de Maya disse...

Maria Laura!

subindo à colina a lucidez aparece
e a insónia desaparece talvez...aprende a escutar a música da duas...e faz a conexão... difícil...

um texto belo e muito sensível...

;)

innername disse...

Belo texto este. A casa tem corpo próprio e alma, mas se não tivesse, ganhava-a aqui. Poderá Damásio encontrar alma nas coisas que existem?
Lol a essa falta de remédio pros ataques de lucidez. Nem pros ataques e nem pra falta deles, como mostra bem o panorama político e não só tuga. Beijo, Alice

Mateso disse...

Há algo lá pelo meu azul. Bj.

As Sombras de Fim do Dia disse...

tens um pequeno miminho lá no meu tempo....

E o que será a lucidez senão e somente o medo feito coragem, cobardia disfarçada de racionalidade?

Pelos caminhos da vida. disse...

Bem expressado esse texto.

Obrigada pela visita.

beijooo.

JPD disse...

Dir-se-ia situar-se sobre uma anel de afectos de onde avaliaria o estado da ligação, quer dentro ou fora dele.

Não deverá ser fácil exercício.
Bjs

tulipa disse...

Gostei de ler.
Belo momento de reflexão.

Eu bem quero, mas a vida não me permite. Passar 1 x por semana nos blogues dos amigos seria o ideal, mas...quem fala em ideais nesta época...há crise de toda a maneira e feitio.
Difícil, muito complicado.

Eu coloco uma questão: qual a tua opinião sobre as «praxes»?

Votos de boa semana.
Beijinhos.

Stella Nijinsky disse...

Olá ML

Não fazia ideia...
Gosto muito deste blogue,
está na minha lista dos que mais gosto,
nunca poderia fazer ideia que fosses tu,
este é mto mais profundo.

Stella

João Norte disse...

A lucidez por vezes incomoda.

Gostei do texto.

Baudolino disse...

Excelente!
abraço

Secreta disse...

É um regressar às raizes ... :)
Beijito.

cõllybry disse...

Que é feito de Ti?...

Os sonhos, a maioria os mantem em segredo, e não realizados...

Beijitos

cõllybry disse...

Vim dizer que tem selinhos,oferto com carinho, espero que os aceites...

Beijitos ternos

Multiolhares disse...

ó que se dá sem limite encontra a felicidade
beijos

D. Maria e o Coelhinho disse...

...actor e espectador, sim, já me tem acontecido.


coelhinho

~pi disse...

rasgar o acto. lucida mente!




beijo





~

bettips disse...

Des-lucidamo-nos
des-lindamo-nos
reinventando um mundo.
Porque a casa também pensa de gente.
Que entra sai e fala escreve
Bj

Oliver Pickwick disse...

Intenso, demasiadamente intenso. Uma vez escreveu no condado do seu gosto pelas obras de Virginia Woolf. Sinto um pouco desta essência aqui. Personalizada, modernizada e inserida com acuracidade no contexto dos dramas urbanos contemporâneos.
Um beijo!