quinta-feira, janeiro 04, 2007

Fim de festa





Corta-me a alma
a pungente melancolia do fim
das festas obrigatórias.
Rasgo-me nos papéis coloridos
nos laços desmanchados nas patas dos gatos,
arrasto-me pelos sofás nos roupões
de quem já despiu a roupa festiva,
guardou as prendas de ontem
com a certeza de que hoje é um dia
igual
sem magia de estrelas nem dourados.
Enjoo-me nos restos de abundância
festim dos que vasculham os caixotes.
Procuro na manhã gelada
a luz que me lave alma e corpo
de tanto e tão pouco.
Eu sei. Só amor, chegava.



Escrito em 26/12/2006

38 comentários:

osangue disse...

Gostei bastante de passar por aqui.

Mar da Lua disse...

Gostei de passar "cá por casa"...que bem que se está por aqui e que uso bonito se faz da palavra por estas bandas!


Bom ano

melgadoporto disse...

Como sempre o povo disse:
“Para onde vais – para a festa :)
De onde vens – da festaaaa :( “
Melancolia do fim, sem dúvida.
Mas um fim que anuncia um começo.
Começo onde devemos pousar o nosso coração.
Quero acreditar que a magia das estrelas está lá!
Visto um casaco quente e enfrento as manhãs geladas,
porque:
Eu sei. Só amor, chega.
:)

innername disse...

só amor, já chegava. E enquanto não chega, lavamos a alma e o corpo (mesmo sabendo que o ritual só nos leva a uma aparente leveza). Estamos cá todos a sentir contigo...e este pedaço de conto da pobreza nossa que não a de quem não tem nada:
f- Nosotros vivimos conectados al celular, a la computadora, al televisor..... ellos están conectados a la vida, al cielo, al sol, al agua, al verde del monte, a los animales, a sus siembras; pero sobre todo a la familia.
El padre quedo impactado por la profundidad de su hijo.... y el hijo termino diciendo:
¡¡ Gracias papá, por haberme enseñado lo pobre que somos.!!!

Cada día estamos más pobres de espíritu de apreciación por la naturaleza, y aquellas cosas que tienen un valor intangible y las grandes obras de la Creación, estamos tan preocupados por tener, tener, tener; en lugar de preocuparnos por el SER.

Teresa Durães disse...

ao contrário de ti, fiquei feliz que as festas passassem. detesto a época.

para além do meu gosto pessoal sobre o assunto, gostei do que li

sotavento disse...

O que é que aconteceu mesmo?!... :)

(Gosto também da foto...)

hfm disse...

Das coisas simples que não têm fim e não precisam de Festas.
Um beijo

miruii disse...

Não pedes pouco, não...
O amor é tudo!
Acredita.

jawaa disse...

Bonito poema.
O amor virá porque tu tens amor para dar.
Obrigada pela visita.

luis galego disse...

Eu sei. Só amor, chegava.


Subscrevo e sublinho a pérola que é este poema...

naturalissima disse...

Palavras lidas em poema que me cortou a respiração... Que luz tão gelada, que tamanha solidão amarraotando a minha alma...

Amiga, só o amor chegava! É o que nos faz realmente VIVER...

Como diz a nossa amiga Jawaa: "O amor virá porque tu tens amor para dar."

Desejo-te um excelente ano novo
Um enorme beijinho
Daniela

João JR disse...

Olá:)
Obrigada!
Tens razão...ninguem consegue comentar no "Renascida", passa-se alguma coisa com o meu blog..só que ainda não tive tempo de descobrir o que é!
Mas faz-me um favor, sempre que me visitares, tenta ir lá e tenta noutros posts...porque ainda consegui publicar 3 comentários no post de 1 de janeiro..depois recebi pilhas de mails que não me deixa comentar. Nem sequer consigo entrar nos meus comments. Está ali um bloqueio qualquer..
beijos, falamos depois:)

João JR disse...

Esqueci me de te dizer que me sinto assim..como este teu; fim de festa..
Só no Natal..claro! Aí sim, faço muito a festa:) Talvez porque além de adorar o Natal, tb sou a Mãe Natal:)
Passagem de ano não gosto própriamente, mas esta, apesar de tudo, adorei ter findado!
E apreciei um lindo fogo de artificio para receber 2007 em grande! Que ele seja um ano óptimo para nós:)
Um grande beijo para ti

Amaral disse...

A melancolia do fim foi-nos mentalmente calcada, desde sempre.
Por isso ela existe. Ela continuará a existir.
O teu poema tem essa mensagem que nos alerta e faz reflectir...
E vai mais além porque encontra a solução natural...

marta disse...

Gostei muito. O fim é arrebatador.Um beijo.

veritas disse...

Olá!
Gostei de passar por aqui e de descobrir, ao ver o teu perfil, que partilhamos a mesma paixão pela poesia de Sophia de Mello Breyner.

Bjs. Voltarei.

Pedro Branco disse...

Pois é. Não entres nessas festas. Inventa outras. Ou reinventa-as...

Cumprimentos.

St. J. disse...

Só Amor basta. É verdade. Porque quando não há, resta pouco.


O sentido de tudo...


Tens coisas giras.
És solta (no sentido mais construtivo). Agradável. Mesmo quando falas da luz que te lava a alma. Uma procura interior. A tua...

:))

J.

FOTOESCRITA disse...

... Apesar de tudo, são bons os presentes que sabemos são pedaços de amor.

João JR disse...

Olá vida,
Passo só para te dizer que já podes ir ao meu blog, foi um problema tecnico, já resolvido:)Beijinhos!

Rui disse...

Todos os dias começa um novo ano e Natal é sempre que o Homem quiser.

Francieli Rebelatto disse...

As festas passam, a sensação de recomeço também, então é ano novo, e espero que esse ano seja maravilhoso, com muita luz, poesia na tua vida e continues a enfeitar nossa telinha de palavras bonitas...

beijos e te cuida..Um feliz 2007!!!

herético disse...

excelente. o amor sara todas as feridas. até os "restos" da festa...

Diana disse...

não és a unica com essa sensaçao.. sempre que criamos expectativas demasiado altas isso acontece! amanhã é outro dia, vamos é comer os restos.. :P

Cris disse...

Bastava, não era? e no meio de tanta abundÂncia fingida, o amor é cada vez mais escasso.
Bom Wk

Bjo

Cris

Menina_marota disse...

"...Procuro na manhã gelada
a luz que me lave alma e corpo
de tanto e tão pouco.
Eu sei. Só amor, chegava."

... e em cada olhar se revê o amor...

Gostei de ler-te. Mais uma vez. Já sebes que gosto.

Beijo e fica bem

mac disse...

A vida por si só já é uma grande festa. Tiremos o melhor partido dela.

Poemas e Cotidiano disse...

Ola...posso entrar?
Que linda sua poesia! Que lindos seus sentimentos!
Quanta realidade na descricao! Um pouco de todo mundo, por um momento, "morou" na sua poesia!
Um beijo
MARY

blugaridades disse...

"Só amor. Chegava!"

E ele anda tão escasso neste mundo. Até chego a perguntar-me se alguma vez existiu em abundância. É que há tantos actos de desamor!
Gostei muito do teu poema. É lindo!
Beijinhos

Desassossego disse...

Só Amor, chegava... e no fim de contas julgo que nas festas abda realmente ausente, comentário de quem acha o natal talvez a oportunidade de pelo menos uma vez no ano sejamos"obrigados" a gostar e a mostrar afectos...

Sim o amor devia chegar todos os dias do ano, um dia talvez...
Um beijo doce.

Nilson Barcelli disse...

Traduziste de uma forma brilhante o "fim de festa" habitual.
Gostei muito do teu poema, como sempre.
"Só o amor, chegava".
Beijos.

Frioleiras disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
rouxinol de Bernardim disse...

Espaço divinal com lucidez "diabólica"!

É parecido com o meu! visita e compara!....

M.P. disse...

Do recente passado consumista ficaram os restos e também a certeza de que Amor é preciso! :) Bom fim de semana ainda pleno desse muito que a chuva não lava e para o qual só o Amor chegava. :) Beijinhos muitos

zuladairam disse...

intenso e cheio de verdade...amei para cá voltar

A Lei da Rolha disse...

Lindo...como tu descreves a ressaca das festes!
bjs

Anónimo disse...

Claro..que só amor, chegava e, na minha verdade..é só o que falta..
..sem amor..tudo passa a rituais, a "deveres" de papeis de encenação repetitivos (escrevestes em 06-12-26)..Quem vive ou aprendeu a viver sem amor/amar é terrivel..para mim até as pedras merecem que as amamos " Só amor, chegava"..O segredo, está em fazer tudo na vida com AMOR..
(dou..nunca pensando em receber)
(Tens uma lucidez/quietude mental muito grande..tens de ter muito amor dentro de Ti )
um abraço
intruso

batista filho disse...

"bastava...", né?
mais uma vez com que sensibilidade e concisão abordas um tema que atravessa os tempos...
um beijo, amiga querida.