quarta-feira, dezembro 10, 2008

Penélope




a espera marca o bater das horas
em que teço o manto com que me tapo
e destapo
faço e desfaço enlaces
de fios que se tocam, entrelaçam
e deslaçam
sem que o coração alcance o barco
longe do porto
leio nos laços que deslizam nos dedos
a incerta certeza de te reconhecer
se os teus passos se firmarem na terra
chão expectante do meu corpo

21 comentários:

VFS disse...

tecemos linhas,
de sonhos ou desejos,
em lágrimas de amor.

e o tecelão?
compõe as cordas universais.

belo poema!

obrigado
Vicente

Paula Raposo disse...

Assim sinto eu...laços que se deslaçam...muitos beijos.

Arménia Baptista disse...

Belo o poema, (como a história da Penélope!) a fotografia também :))

Moura ao Luar disse...

Prazer nas tuas palavras...

Maria Dias disse...

Passando rápido para convidá-la a participar de uma homenagem para um grande amigo!

Voltarei com mais calma para ler-te...

Abraço

Maria

Felinea disse...

adoro enlaces em poemas :))

beijos daqui para ti.

Pierrot disse...

Que o coração alcance o barco...
Tão simples e tão forte.
Parabéns amiga
Bjos daqui
Pierrot

Nilson Barcelli disse...

Na espera, o tempo demora-se para "dar tempo" à construção e/ou desconstrução da realidade futura.
Belo poema cara amiga, gostei.
Beijinhos.

bettips disse...

Estas ilhas nossas, de gostar!
Laços/deslaços e mesmo assim, fio que tece analogias.
Bj

Lmatta disse...

Linda foto parabéns
belo poema
beijos

Walter disse...

gostei do texto, as palavras casam na perfeição com a imagem.

innername disse...

teus passos no meu corpo
se ficarem
terra expectante
(confundes-me com a incerta certeza DE RECONHECER, porque faço duas leituras daqui

pront'habitar disse...

"faço e desfaço"


é a vida inteira...

mundo azul disse...

Que esse incessante enlaçar, produza os frutos da chegada!


Um poema muito lindo!!!


Beijos de luz e o meu carinho...

heretico disse...

belíssimo poema. imagens de uma doçura cativante. "chão expectante do corpo...". gostei muito

beijos

P. Matheus disse...

Bela poesia e bela imagem. Sensacional final apoteótico!

[ rod ] disse...

Espera das horas que se banham na sonsa graça dos sentidos em si... sentidos alinhados ao desalinho do mundo em tom de sim ou não.

Eis o ápice do bater amor... coração num zigue-zague ao sol nascente.

Bjs moça...




Novo Dogma:
saCro...


dogMas...
dos atos, fatos e mitos...

http://do-gmas.blogspot.com/

Justine disse...

A força da esperança, a iluminar tudo, a diluir as desilusões.
Poema muito bem entrelaçado:))
Beijo, Bom Ano e até para o ano!

dona tela disse...

Como é que se escrevem poemas assim?

Muitos cumprimentos.

as velas ardem ate ao fim disse...

é bom enlançar...
um bjo

in_side disse...

cor po de terra, sempre :)