quinta-feira, outubro 04, 2007

a (re)invenção da linguagem




... e chega um tempo em que procuramos as palavras certas. as que não digam demais. as que não prolonguem a distância. reinventamos a linguagem, como se fosse possível dizer o mesmo, sem o dizer. tacteamos reacções a cada frase sem conseguir adivinhar quais são os termos proibidos. nessa incerteza de palavras erradas, não atingimos a comunicação. vagueamos entre ideias e a sua expressão. sem que o que dizemos seja o que queremos dizer. talvez os códigos desta linguagem reinventada venham a ser perceptíveis para quem os escuta. pela necessidade de um novo entendimento.




Foto by B Berenika

__________________________________

Hoje, lá no outro lado, há um bocado de vaidade...

35 comentários:

sonia r. disse...

Já bastava cuidar da que existe e não reinventar nada.
Bom fim de semana.Bjinhos.

M. disse...

Texto de grande inteligência.

markus disse...

A linguagem é um sinal de inteligência de qualquer ser, e que melhores palavras do que aquelas que só o silêncio entende, que melhores palavras do que aquelas ditas com o olhar!?
..."Meu pensamento á solta
É nuvem que vai errando...". Bom resto de semana. Bjos**

mixtu disse...

um novo entendimento...
para isso o emissor e o receptor têm de estar preparados.. penso

abrazo europeo

un dress disse...

tantas linguagens...!

tantos mal.entendidos...


também ando a reflectir muito sobre isso.

perturba muito!

é preciso coragem!


beijO

Amaral disse...

Talvez seja como dizes!
Aprendi que a palavra é o segundo instrumento que conduz à criação.
O primeiro é o pensamento, o último é o acto em si.
Somos criadores da realidade que escolhemos, e herdámos esse dom do próprio Criador. Seremos, portanto, co-criadores com Deus.
Sendo a palavra um dos instrumentos da criação, ela tem um valor superior, uma força precisa, quando empregada com a sinceridade e a verdade que faz parte do nosso Eu.

A embrulhada com que as sociedades envolveram a linguagem simples e pura, tornou ensurdecedora a comunicação entre os povos. Do pensamento à palavra e depois ao acto final, muitas vezes vai uma distância abismal, e nem o próprio universo entende o que as pessoas pretendem.

Quantas vezes, uma oração, uma súplica, um simples pedido "não é atendido". Será que o próprio subconsciente percebeu esse pedido?...

M.P. disse...

Virá sim... Haverá um tempo em que serão de algodão doce que se derreterá no nosso coração. As pedras que atirámos a cada palavra que proferimos agora rebentarão em milhões de moléculas e renascerão em Poesia.. :) Bom fim de semana prolongado.. Beijos muitos

tufa tau disse...

podemos (re)inventar tudo sem inventar nada.
palavras precisam-se
velhas ou (re)inventadas.

tolilo disse...

CHUAC|_

santiago disse...

A hora é de grandes mudanças.

Rafael Velasquez disse...

códigos... códios... o que queres de mim?

beijo.

carteiro disse...

Acho que temos essa necessidade. A procura de uma outra forma de dizer algo tão igual mas com a emergência de ser tão diferente. Será que a concentração no destinatário dessa mensagem não inspire o entendimento através da reinvenção? Gosto de acreditar que sim. Bom fim-de-semana.

Vity disse...

Ola,
Passo apenas para agradecer a tua visita e deixar um beijo carinhoso…
Bom fim de semana…
Beijo doce
Vity

AcidoCloridrix disse...

Parece simples essa tua reflecção,,, mas é bem complexa e sublime,,,, fantástico!!!! HCL

maria josé quintela disse...

um novo entendimento que rompa com as palavras e nos centre na essência.

uma espécie de telepatia.

Páginas Soltas disse...

Deviamos ter a capacidade de escolher as palavras certas, sem nunca magoar, sem nunca errar..
bom fim de semana*

Papoila Sonhadora disse...

Ola doce Amiga,
Cada dia que passa surge uma necessidade cada vez mais crescente de mudança... A Linguagem, os gestos carecem de uma mudança subtil mas sincera e pura...
Tantas sao as palavras vas... Os gestos as vezes tao precisos...
Bj de Encanto,
Papoila Sonhadora,

Nilson Barcelli disse...

Este teu belíssimo texto dá pano para mangas...
Mas quando eu escrevo sinto bastante o que dizes. A procura das palavras certas é o grande problema para comunicar. Principalmente na escrita, porque o tom quase que desaparece.
Bfs, beijinhos.

St. J. disse...

Evitar a verdade?

C Valente disse...

bom fim de semana
saudações amigas

Um Momento disse...

E palavras são palavras
Linguagem muda falada
Falada entendida ás vezes nada
Texto belo

Desejo um lindo fim de semana
Beijo ...em ti
(*)

Marinha de Allegue disse...

A comunicación sempre é unha constante na nosa vida sen ela empobreceriámonos...

Unha aperta.
;)

Mateso disse...

A linguagem no seu linguajar recria ou simplesmente arrasa o mundo do estar e do ser.
É feita por nós e para nós.. porque então este vaguear por entre os indivíduos como se o canal estivera em onda não consonante?
Pergunto.. mas não sei a resposta... será resquício ainda da Torre de Babel? pode... hum...
Que prazer ler-te.
Bj.

bettips disse...

As "pequenas" palavras que se reinventam, em vidas de vidro baço em que nos tornamos. As tuas fotografias são frases de luz, felizmente! Beijinhos

AMMedeiros disse...

In a Manner of speaking
I just want to sayThat I could never forget the way
You told me everything
By saying nothing

In a manner of speaking
I don't understand
How love in silence becomes reprimand
But the way that i feel about you
Is beyond words

Oh give me the words
Give me the words
That tell me nothing
Ohohohoh give me the words
Give me the words
That tell me everything

In a manner of speaking
Semantics won't do
In this life that we live we only make do
And the way that we feel
Might have to be sacrified

So in a manner of speaking
I just want to say
That just like you I should find a way
To tell you everything
By saying nothing.

Oh give me the words
Give me the words
That tell me nothing
Ohohohoh give me the words

Give me the words
That tell me everything
Oh give me the words
Give me the words

That tell me nothing
Ohohohoh give me the words
Give me the words
That tell me everything

Nouvelle Vague

Excelente texto o teu.
Um beijo

happiness...moreorless disse...

É bem verdade...procuramos inventar uma nova linguagem...!

e adorei a tua foto no outro espaço, Parabéns!

beijinho*

C Valente disse...

boa noite e bom domingo
saudações amigas com um beijo

Tchivinguiro: onde nasci. disse...

«As palaras são pouco mais ou menos como os frutos, que nada valem, nem quando estão demasiado verdes, nem quando estão demasiado maduros».
P. Bouhours

hfm disse...

A eterna batalha com as palavras.

hfm disse...

Quanto ao que está "no outro lado" não é vaidade, não; há momentos em que CRIAMOS e devemos assumi-los quando, tanta vez, sabemos que poderíamos ter ido mais além.

Parabéns.

PintoRibeiro disse...

Vim ver os amigos.
Bjinho.

AMMedeiros disse...

No outro lado...

Não é vaidade, é sentido de auto-eficácia, criatividade, sensibilidade e realização.
Parabéns!

Gostei muito!

Um beijo

poca disse...

in a manner of speaking dos tuxedomon ou dos nouvelle vague, conheces? fala disto. pelo menos eu assim entendo.
é uma das minhas músicas preferidas.. tem daquelas letras que gostava de ter sido eu a escrevê-las..

quanto à tua foto, uma palavra e depois outra: Brutal! Parabéns!

Carracinha linda! disse...

Eu acho que podes sentir vaidade e também orgulho, pelo facto de uma foto tua ter sido escolhida.

Beijinhos!

L.S. Alves disse...

Falar é fácil, comunicar-se é difícil.