domingo, outubro 14, 2007

Incerteza




Entre o dito
e o que falta
há o espaço
da incerteza.
O caminho
inseguro
interdito
o meu trilho
de tristeza.
Passos dados
pela margem
desse leito
de ternura
onde me deito.
E o que falta
no já dito
é o caudal
que corre frio
no meu peito.

Escrito em Dezembro 2005. Mas curiosamente actual.

40 comentários:

sOl disse...

Muito lindo...
Também me deparo neste momento com muitas incertezas..
Mas há que haver força para continuar e desvanecê-las...



sOl*

Tchivinguiro: onde nasci. disse...

«o que falta
é o caudal
que corre frio»
em teu peito.


Actualíssimo.
Bonito.
Intenso.

Beijinho.

maria josé quintela disse...

como um rio.

Secreta disse...

As incertezas fazem parte da vida ... por isso o que quer que se escreva sobre elas , a qualquer momento podem se tornar em algo actual.
Beijito.

Carracinha linda! disse...

Incertezas...existem sempre. E eu tenho tantas...

Beijinhos e boa semana!

Opintas/Bernardo Kolbl disse...

Incertezas são muitas são.
Vim acabar de arrumar a tralha.
De passagem, um abraço.

C Valente disse...

A poesia quando bem feita é intemporal
Saudações amigas

triliti star disse...

o meu trilho de tristeza
desse leito de ternura
que corre frio no meu peito
o espaço da incerteza

já em 2005 é muito tempo

conchita disse...

Também me sinto assim mas temos que continuar, não é?!!
Boa semana :)

Vieira Calado disse...

Actual e duma transparência nítida, idêntica ao da água da imagem.
Um abraço

hfm disse...

É uma das vertentes de um bom poema a sua actualidade. Os três últimos versos rasgam-nos. Gostei muito.

as velas ardem ate ao fim disse...

Para ti

os olhos
recolhem

a pomba
esmagada

no asfalto

uma asa
impressa

brancovermelho

sobre preto

o brilho vítreo
a gota límpida

de um
olho
fixo

bjinhoe boa semana

Cackau Loureiro disse...

nossa, tudo que escreve é tão lindo, tão confortante...

=)

mac disse...

As incertezas são uma constante da vida. Não podemos é deixar-nos dominar por elas...

cõllybry disse...

A vida é incerta,neste momento então, por demais...
e como a descreves bem...

Doce beijo

Maria Clarinda disse...

E aqui estou perdida entre o teu poema maravilhoso e...as tuas fotos.
Jinhos mil

Menina do Rio disse...

É esta incerteza que nos impulsiona em busca da certeza de novos caminhos...

Querida, amanhã o blog Momentos de Vida completará um ano e como está em faze de encerramento, quero fachar em grande estilo; conto com tua presença!

beijinhos

sveronica

isabel mendes ferreira disse...

a certeza!

a Tua.

num texto doído de belo.


e o esplendor de uma água....azulérrima.



________________beijo.

innername disse...

não me alegra que te corram rios frios no peito, mesmo sendo tu uma mulher irmã das águas. Melancolia, ok, nostalgia, ok, tristeza não. Incerteza tb não é bom, duvidas podem multiplicar-se. ternura sim, multiplique-se o suficiente para exportares para o norte. Abraço, Alice.
http://claudioalex.multiply.com/reviews/item/545/J.J.Cale_-_Waymores_Blues

jawaa disse...

Belo!

Mar Arável disse...

O CICLO DAS MARÉS

E TAMBEM O MAR MORTO

A VERDADE RELATIVA

O LEVANTAR DO CHÃO

mixtu disse...

actual as incertezas, por acso só tenho certezas.. é verdade :)
abrazo europeo

un dress disse...

o dito é sempre pouco

e frio.

mais ao fundo

mais profundadamente

um calor

in.dizível


...



beijO

pin gente disse...

tens que o aquecer...
tenta!
um beijo
luísa

PintoRibeiro disse...

Boa semana, abraço.

L.S. Alves disse...

Entre o dito e o não dito é o lugar preferido pra verdade se esconder.
.
Um abraço e uma ótima semana.

pin gente disse...

as nossas maiores certezas são as incertezas
beijo
luísa

herético disse...

passos dados "pela margem da ternura" trazem ressonâncias muito belas.

mfc disse...

Somos sempre seres insatisfeitos e a vida dá-nos muito pouco do que a gente lhe pede!

Entre linhas... disse...

Existem espaços que só se completam com o passar do tempo.
Nos intervalos cabe uma incerteza...
Bjs Zita

Amaral disse...

Está actual e sempre estará!
Porque a poesia, quando bem construída e quando tem "sumo" por dentro, curiosamente, não tem idade!
Lê-se hoje com a mesma alegria que se vai ler daqui a muitos outros anos!...

A Lei da Rolha disse...

Lamento muito o estado nostálgico que demonstras na tua postagem e noteu lindo poema, espero estar errado...
bjs

O Profeta disse...

Poema espantosamente belo, com uma musicalidade rara...actual?

Doce beijo

brisa de palavras disse...

A icerteza da vida, a incerteza de nós que corre o tempo..
um abraço

brisa de palavras

santiago disse...

Um lindo poema que poderia ombrear sem vergonha com poemas dos nossos bons poetas.
Parabéns.

Joaquim Amândio Santos disse...

a tem hora marcada com a prisão do tempo...

daniel sant'iago disse...

Que frio... tão gelado!
Beijo.

Mateso disse...

águas revoltas que se perdem em lamas coladas, eis o caudal. O leito, suave e manso é perene...
Bj.

C Valente disse...

Bom fim de semana
Saudações amigas

Anónimo disse...

A d o r e i !!!

Um abraço fraterno e saudoso,

batista