domingo, dezembro 03, 2006

Escritos da chuva (III)





Chove

Eu sei que chove
Lá fora no asfalto não há som de passos
É noite
Comigo caminham os inquietos
Os que sonham de olhos bem despertos
Os que esperam algo que não chega
Mítica mistura de desejo e esperança
Comigo vagueiam os que dizem loucos
Os muito lúcidos de olhos abertos
Os que não sabem se estão longe ou perto
Todos os que escutam na noite escura
A chuva a bater no asfalto deserto.


Foto by jaQb jacher

32 comentários:

Bandida disse...

eu vou...


contigo.





beijo.
_____________________

maria disse...

E que doce companheira é por vezes a noite!...
Posso ir também?
Beijinho

innername disse...

eu tou indo nessa tua caminhada...contente pela companhia e completamente acordada.
ah, o tom waits dedicou-te uma música, espero que não te importes, postei-a em tua homenagem...abraço, alice

pintoribeiro disse...

Belíssimo. Abraço,

sotavento disse...

Equipa que está a ganhar, espera
enquanto que a que está a perder, desespera

Parvoíce, dirás tu!... :)

Teresa Durães disse...

presente para a caminhada! (mesmo constipada!)

gostei bastante!!

FOTOESCRITA disse...

Sou uma mistura de todos esses de quem falas, por isso acompanho-te, ainda que à distância da net.

mac disse...

A noite, cumplice secreta e serena...

Klatuu o embuçado disse...

Belo poema!

Cris disse...

E quem nunca ouviu a chuva cair no asfalto, pelo menos uma noite na sua vida?

Lindo! Bjos

Cris

unicus disse...

Belissimo.
Abraço

Miudaaa disse...

lindooo...
chove chove chuva sem parar...
e chove o que chove, porque todos os que esperam algo que não chega, com o som da chuva, ficam com os olhos ainda mais abertos e o coração mais esperançado.

um beijo da miudaaa

Isabel disse...

Caminho contigo debaixo da mesma chuva.
Inquieta.
Sonhadora.
Esperaçosa.
Louca.
Lucida.
Longe
ou
perto

Caminho contigo debaixo da mesma chuva.


Lindo_____________________________


Até já.


Isabel

Licínia Quitério disse...

A noite é mesmo companheira de poetas.
Com olhos rasos de...chuva.

Beijo.

frog disse...

Enquanto a chuva cai no asfalto deserto, inunda-se a alma de primaveras que tardam em chegar!...


Um terno e doce beijo...

as velas ardem ate ao fim disse...

Posso ir contigo???

JPD disse...

Belíssimo texto.
:)*

M.P. disse...

O som da chuva é aconchegante desde que haja aconchego no coração de quem a ouve. Aqui .. há desorientação e vácuo no coração daqueles que, por razões várias, só ouvem o martelar das gotas no asfalto... Bejinhos muitos. Retribuo os votos de boa semana! :)

Kristal disse...

Você sempre inspirada e sensivel !
Um lindo texto em um belíssimo blog !

Estranha pessoa esta disse...

É quando o deserto mora aqui.
E o reflexo da chuva ali.
Estando aqui.
Neste..
deserto!

Reconfortante?
Sinto que sim.
...

batista filho disse...

que versejar excepcional!

como conheço esse som de passos, quase inaudíveis: noite após noite, ao longo de toda uma vida... a caminhada dos inquietos, insônes...

um abraço carinhoso, amiga-irmã.

Josefa Pacheca Pereira disse...

Para mim, blogue e bloguer do ano é:

Bom dia.

amadis disse...

Bom dia, abraço.

herético disse...

poema à flor da sensibilidade. muito belo...

mnemosyne disse...

Longe vai o bico da pena trilhando mapas, acendendo astros...tão longe se aveluda a asa que o ouvi- do anima ...serenamente rufa a asa da rima.
Belíssimo este teu poema :)
Um beijo

o feiticeiro da brisa disse...

Tem feitiço o teu espaço, voltarei

Suave beijo

APC disse...

Fui a um texto meu antigo e redescobri-te lá comentando. E então vim aqui uma vez mais.
Comecei a ler o teu poema e fiquei a aguardar para ver, no final, que autor consagrado o escrevera.
Não vi lá nenhum nome, porque a autora és tu e fico de olhos me abertos à conta disso... Está lindo!
Lindo! Parabéns!
E um abraço.

APC disse...

* Não me perguntes o que faz aquele "me" no meu comentário anterior. Seria um "bem"? Não sei, mas mal também não faz, lol :-)

Bia disse...

Contigo eu estou, nessa mistura de gente sem passos, que não sabem onde estão ou esperam algo que não chega... quando temos não esperamos nada, se calhar descobri agora que só o que não temos nos faz falta, porque o que temos está ao nosso lado... bem vou parar que ainda me baralho a ti e a mim...
adorei o silêncio da tua chuva.
beijinho

Rui disse...

Aqueles que só sentem a chuva por dentro.

A Lei da Rolha disse...

A chuva é uma doce companhia para quem compõe poemas e letras musicais, o seu som é muito nostálgico e avassalador...principalmente quando se está sozinho...no mundo!
bjs

vida de vidro disse...

testando