domingo, julho 30, 2006

Sem ti






Sem ti
recolho-me à tela dos dias
pintados de frescura azul
mergulho na pele de mim
tecido vivo em que te cosi
te prendi.
Encontro um grito velado
escondido entre a carne
e a superfície
que enche a brandura da tarde
do cio das horas antigas
por viver.



Foto by Izabel

30 comentários:

Kristal disse...

Que fotos lindas ilustrando esses poemas !
beijo
Kristal

naturalissima disse...

Amiga
Mas que linnndddoooooooooooooooo poema.
Gostei muito deste em especial. Simples mas carregado de sentimentos. " Sem ti recolho-me à tela dos dias pintados de frescura azul..."
Parabéns.

Beijinhos e uma boa semana
Daniela

Teresa Durães disse...

li só por alto...

não estou muito tempo na net..
(a história cresceu mas não está cá, tem de levar acertos. só devaneios lá no meu sítio)

bom domingo

copa-rota disse...

" Sem ti mentos " á deriva no tempo, sem tempo de ter tempo...para viver.

" Sem ti-me " bem aqui...

( Neste pc onde estou não consegui ouvir a música, depois ouço no local de trabalho. )

Um beijo, Glasslife...

Boa semana ;-)

blugaridades disse...

gostei do blog e do poema. voltarei mais vezes.
bjs

amazing disse...

Dá vontade de ler e reler.

rouxinol de Bernardim disse...

Foto e poema em linha com a categoria do blog! Expoente máximo!!!

herético disse...

... um cio de horas antigas. na brandura da tarde. para viver... muito belo

≈♥ Nadir ♥≈ disse...

sem ti as horas arrastam-se...
sem ti... a tua ausencia torna-se a presença constante que pinta de negro as horas de solidão...
sem ti...

Gostei do teu poema
beijos e boa semana

copa-rota disse...

Já ouvi a música... adorei, Glasslife!

Beijinho grande ;-)

Curte fixe!

P.S. Deixo-te mais uma sugestão, pois já vi que gostas de Gotan Project: ACOUSTIC ALCHEMY
É um pouco dentro do mesmo estilo, acho que vais curtir...

Bons tangos ;-)

naoseiquenome usar disse...

Este parece ser um "sem ti" tranquilo :)

FOTOESCRITA disse...

Bem bonito! Gosto mesmo.

olhar disse...

Belo Blog.

Parabéns também à Izabel pela foto.

:)

Bj

blugaridades disse...

passei para te desejar uma noite tranquila. beijos

naturalissima disse...

amiga
vim agradecer a tua visita...
uma bela semana
Beijinhso
Daniela

melgadoporto disse...

"...das horas antigas por viver." Maior "dor" não existe do que hoje se pensar aquilo que se podia e não se viveu! Alguém nos "fugir" é sempre doloroso, mas se não voltou é porque realmente nunca gostou de estar. Por isso a dificil dicotomia - viver ou não viver no momento. Por isso ainda bem que certas horas antigas por viver as não oferecemos a quem afinal o não merecia.
És demais!

AnaGarrett disse...

Belas frases que compoem o poema. Gostei da parte sobre a pintura.

;-)

Beijinho

Luna disse...

Poema muito bonito
beijocas

mac disse...

O recolhimento depois da perda...o grito que teima em pairar na garganta e não quer sair..."as horas antigas" que já não podem recuperar...
A música é linda...

mac disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Rui disse...

Grito gritado pelos poros.

frog disse...

Belissimo poema! Voltarei com mais tempo...


Um beijo...

Ana P. disse...

Só podes ser grande.... pois quem escreve assim é enorme...

nointeriornorte disse...

um poema sensual numa foto fabulosa, plena de chamamento... A foto e o texto....
gostei...e recordo tambem as horas antigas... paradas em silencio e desejo!

Beijo

Paulo Santos
www.interiornorte.blogspot.com

amazing disse...

Mas essas férias não acabam?
Venho aqui nem que seja para ouvir a música.

o alquimista disse...

Lindo...tanta emoção, tão verdadeiro...
Beijo

OvelhaNegra disse...

Umas boas férias.
Vim ouvir a música, reler-te e deixar-te um beijinho. :))

vida de vidro disse...

>> Obrigada, mac e melga do porto cujo perfil não me permite chegar ao vosso endereço, caso o tenham. **

tiago dias disse...

no cio das horas por viver... assim andamos! bj poesia

joao de miranda m. disse...

Conheci este blog com "A menina do Balão" onde comentei. Definitivamente, um blog de referência.