terça-feira, abril 14, 2009

Páscoa de vento e sal



Páscoa de vento e sal. Entre o sol e a chuva. Dias caprichosos, na busca da tranquilidade que se tem tornado escassa. E o tempo, de tanta incerteza… Chuva que não chega a lavar, sol que não dá para aquecer. O vento, sempre presente, traz o aroma do mar, forte. Aguçando o desejo de dias suaves. Uma espera inquieta, sem data para terminar.

21 comentários:

Amaral disse...

O tempo nas palavras poéticas duma primavera de certezas e incertezas...
Sol e chuva, caprichos da natureza, intranquilidade nos horizontes sociais que os novos tempos deixam a nu...

Roderick disse...

Páscoa??????
Mas não era Carnaval???
Então é por isso que as pessoas se riam quando eu passava mascarado!!!!!!

ADiniz disse...

Páscoa, período de colheita, era festa. Hoje, esta época, pra mim é tempo de plantio, fico atenta a cada semente que germina, pois saiu de minhas mãos a planta que brota da terra, desejo ainda visualizar o campo com sorriso de criança e então fazer minha colheita, tranquilamente.

Lindo texto e com a suavidade de sempre.
Uma ensolarada semana em você!
Bjinhos.

hfm disse...

Das esperas que o vento projecta.

as velas ardem ate ao fim disse...

é assim que me sinto.

um bjo

P. Matheus disse...

Uma espera inquieta, sem data para terminar!
Pelo menos por ai tens o aroma do mar!

MADRUGADA... disse...

Uma vénia.

~pi disse...

vento que traz

agora

a vida,

sementes que se espa lham

pra ser flores,



beijo



~

alice disse...

que bonita fotografia :) tem toda a razão, não pára de chover... e que bem nos sabe o sol a quem gosta de palavras, não é verdade? beijinho grande, alice.

Flor disse...

jogo de palavras fantastico...
gostei...muito aliás...
beijinhos

Licínia Quitério disse...

Este vento que nos há-de trazer um outro por que esperamos faz já tanto tempo. Entretanto, arde o sal na nossa pele.

Beijo.

mena m. disse...

Mas uma bela inquietação que aqui nos mostras!

Por aqui tivemos a surpresa da estreia da primavera, com céu muito azulão e solinho a quecer-nos!
Hoje já o céu toldado de núvens...

Beijinho

entremares disse...

A espera inquieta...
A chuva também.
E continuamos à espera...
Do sol,
de primaveras,
de pequenas alegrias,
de sorrisos casuais.

A vida é isto mesmo.
Uma espera.

Mar Arável disse...

Por vezes

só à noite

tudo fica mais claro

Justine disse...

E no entanto, Abril é o tempo das certezas!

Entre "aspas" disse...

Um texto que espelha a minha alma...
Bjs Zita

nuvem disse...

Conseguiste fazer um belo poema à Pascoa... Os meus parabéns, não é tarefa fácil :) Mil beijos

heretico disse...

"chuva que não dá para lavar, sol que não dá para aquecer...". assim o tempo!

... salva-se o aroma do mar.

beijos

angel bar disse...

Esperemos... E com boas ideias...

Convite para "Coffe Shot" no Angel Bar.

Bom fim de semana.

Oliver Pickwick disse...

Não ficou claro se a "espera" refere-se à ressurreição do Cristo messiânico, ou, a algo pessoal. Mas, não importa, em ambas as "versões" o poema é muito bonito.
Ressalto, ainda, a fotografia do vento fustigando a árvore. Esta parece querer sair do lugar.
Um beijo!

jawaa disse...

Bela fotografia para ilustrar o vento e a inconstância do tempo.